O meu corpo grita mudo pela cidade

Procurar um sentido quando já não há sentidos.
Sem meios, sem estímulos, sem emoção.
Mudar implica matar algo que é garantido, desafiar o desconhecido,
criando a ilusão de que o que nos espera
será sempre melhor do que aquilo que nos dão.
Viajo pela madrugada fora, sem sair da cama.
A noite tornou-se o meu pior inimigo,
traz-me à mente quem não me ama
e recorda-me a perda de cada amigo.
Dizem que a fuga não é solução,
mas a final quem é que é o dono da razão?
O mundo fechou, dizem-se livres quando vivem numa sela.
Juntos criaram uma sociedade estereotipada
Onde cada um luta por um umbigo de ouro.
Pior do que falar em liberdade é acreditar nela.
Há dias que não são vida,
São uma merda de encher calendário.
O relógio vira o espelho da fadiga,
e lembro-me que nasci só porque alguém quis
colocar o meu nome no seu diário.
A manhã nasce, imperdoável.
O meu corpo grita mudo pela cidade.
O fim é inevitável,
quando a rutura vira sinónimo de liberdade.

Instagram


A paixão pela escrita começa a ganhar outros contornos.

Comecei um novo desafio, deixo-vos aqui o instagram deste blog, que será unicamente dedicado a pequenos excertos e frases da minha autoria:


Espero-vos por lá :)