O mundo também mente



Todos dizem que a aparência não interessa. O encanto está no interior de cada um, e temos que amar de dentro para fora e nunca ao contrário.
Todos dizem que um bom coração encobre uma má aparência. O mundo defende que quem vê caras não vê corações. Mas o mundo também mente.
As expressões: "O que importa é o interior." "Não o(a) julgues pelo aspecto." e "Um bom corpo não é tudo." são rapidamente postas a baixo quando as mesmas pessoas dizem: "Com aquele(a)? Credo, ele(a) é tão feio(a)", "Achas?! Ele(a) é horrível", “Já olhas-te bem para ele(a)? Não vai a lado nenhum assim”.
Afinal a aparência importa! Sempre importou e importará sempre. As primeiras pessoas a dizerem que não, são as primeiras a cair no erro de se contradizer.

"Ama, bebe e cala"



"Para ser grande, sê inteiro:nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quem és
No mínimo que fazes."

"Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
E cala, O mais é nada."

Ricardo Reis

Quem não quiser sofrer, que se isole!




Nada é para sempre.
Por muito que nos faça bem, por muito que nos faça sofrer, há-de sempre passar. As vezes a idealização de algo é tão bom, que mal está a começar e eu já lamento, porque sei que vai acabar.
Fez-me bem, fez-me sorrir, fez-me acreditar, fez o meu coração sonhar e meu olhar sorrir. Mas agora traz-me mágoa, faz-me chorar, deixei de acreditar, estou desiludida, mais uma vez, é como se me tivessem chamado a razão, uma razão dura de viver.
Tudo na vida tem dois lados, e por vezes eu preferia não sorrir, não ter ilusões nem sonhos, não ter esperança nem acreditar, porque tudo isto acaba sempre por me fazer sofrer, e muitas vezes o sofrimento não compensa a felicidade outrora sentida.  


Eu não quero mudar o elenco, só o rumo do texto


Estou cansada, já são muitos os dias, já é demasiada a distância, a frieza e a indiferença. Já não somos o que éramos, é assustador perceber que aquilo a que ainda teimamos intitular-nos já não existe. Estamos num palco, com a cortina aberta a ver quem representa melhor, estás em vantagem, ou melhor, tu já começas-te em vantagem. Estou cansada dos ensaios, o texto já não me diz nada e é cada vez mais difícil decora-lo. Tenho medo de fugir, não consigo virar costas e sair. Não tenho "tomates" para o fazer, nem sei como o fazer. Sinto que o público está prestes a levantar-se para a ovação final, mas eu não quero o final, não desta maneira. Eu não quero mudar o elenco, só o rumo do texto.